TEXTOS

TEXTOS

O Pintor e Sua Janela", de Carlos Matuck

 

               Em seu A Dictionary of Symbols (Philosophical Library, New York, 1962), J. E. Cirlot demonstra que ‘janela’ conota abertura, possibilidade ou distância; e, por seu formato quadrangular, se insere na esfera do racional e do terreno.

               Simboliza também consciência, especialmente se estiver no topo de uma torre, o que a aproxima de uma cabeça humana.

               Isso está implícito na instalação (ou, como prefere Carlos Matuck, assemblagem) "O Pintor e Sua Janela", exibida na Livraria Cultura Arte, em São Paulo.

O que, de imediato, estabelece, a nível da consciência, uma natural sinergia entre dentro e fora, perto e longe, além e aquém.

               E, por extensão - por ter sido erigida em espaço social e arquitetônico onde se exerce uma específica e intensa interação (uma  livraria e seus frequentadores) - entre o eu e o outro.

Sinergias aliás que não a esgotam.

               A janela de Carlos simboliza mais que mera abertura para o mundo lá fora em busca de paisagens (tela), ideias (texto) ou sons (partituras).

               Abertura na qual podemos identificar a própria função da ‘livraria’ como canal de saber.

De dentro para fora & fora para dentro.
 

               Janela vem de Janus, entidade mítica romana com duas faces que se opõem e miram em direções opostas - assim como as portas e janelas.

               Por estar na intersecção de passado e futuro, o primeiro mês do ano é assim chamado de Janeiro.

               “O Pintor em sua Janela” funcionalmente se posiciona dentro/fora do espaço que o envolve: um dentro que começa no 'eu' (ficcional ou não), se insinua por entre as estantes e escadarias da livraria, ganha o lado de fora, invade a Paulicéia Desvairada (com todas as suas conotações geográficas, urbanas, arquitetônicas, literárias & neuro-paranóicas), se insere no mundo, e, de lá, pela mesma janela matuckiana - percorre o caminho inverso até o nosso próprio inconsciente.

               A janela também abre ‘para dentro' e conceitualiza todo o espaço 'real' da própria Livraria: como espaço físico ela sutilmente nos deixa entrever que Carlos a transformou em sua Biblioteca de Babilônia particular - lugar público tornado em 'espaço privado' do autor.

O próprio LIVRO (como mercadoria gráfica/ fonográfica da casa) acaba assimilado - 'fenestra' íntima & universal que se propõe a ser.

               O espectador/freqüentador é obrigado a vivenciar uma metáfora, a se transmutar ele mesmo em letra, sinal diacrítico, hífen, reticência, de um daqueles milhares de tomos.

Nesse sentido “O Pintor em sua Janela” é também...'obra literária' (sem nem pedir licença à casa).

Buraco negro, aleph despretensiosamente a catalizar o mundo exterior para o vórtice interno: as escadarias, os corredores, as estantes da livraria – com todo o seu saber.

               Curiosamente nos propõe um terceiro olho (ou enésimos), a superpor universos externos a universos interiores.

               Qualquer q seja a definição de externo ou interno.

                Não há margem para dúvida: abertura em múltiplas direções, "O Pintor e Sua Janela", que Carlos Matuck nos propõe...in-forma.
 

 

Ariel Paulo Krivochein Marques

 

Poeta e batuqueiro

abril de 2008

Veja a série completa O PINTOR EM SUA JANELA